Carros

Carros

7 erros que detonam o motor do seu carro

Motul
| Publicado em: 26/02/2021

O motor do carro é considerado o coração do automóvel. Ele é responsável por transformar a energia da queima do combustível em movimento. É por isso que precisa ser bem cuidado para evitar problemas que possam colocar a segurança dos passageiros em risco.

Sabendo de sua importância para o funcionamento, listamos abaixo 7 erros muito comuns que danificam o motor do carro. Confira!

Não cometa esses erros com o motor do seu carro.

1 – Preencher o sistema de arrefecimento apenas com água

O sistema de arrefecimento é o responsável por fazer a troca térmica que permite refrigerar o motor do carro. Ou seja, é ele quem regula a temperatura para que não haja superaquecimento.

Um dos erros mais comuns é utilizar o produto errado para fazer a manutenção do sistema. Ou ainda: utilizar apenas água!

Usar apenas água no sistema de arrefecimento pode causar aumento da tendência à corrosão e a formação de depósitos no sistema de circulação. Estes depósitos obstruirão a passagem do fluído de arrefecimento, aumentando a temperatura de trabalho do motor. Com o tempo, isso levará a um desgaste nas peças e causará vazamentos que podem danificar totalmente o motor.

O fluído de arrefecimento é composto de água desmineralizada, monoetileglicol (ou etilenoglicol) e um pacote de aditivos. O monoetileglicol é responsável por baixar a temperatura de congelamento do fluído e elevar a temperatura de ebulição. Os aditivos atuam inibindo a corrosão e formação de depósitos.

Há fluídos que são prontos para uso e não necessitam diluição. Já os fluidos concentrados necessitam ser diluídos em água desmineralizada. A proporção da diluição está recomendada no manual do fabricante. De modo geral, a diluição deve ser de, no mínimo, 33% de fluído concentrado e, no máximo, 50% para carros e 60% para caminhões. Estes valores são definidos para os produtos da Motul conforme aprovação das montadoras e da ASTM (American Society for Testing and Materials – entidade estadunidense publicadora de normas técnicas). Mais uma vez, recomendamos que você confira as instruções do manual do fabricante. 

Para saber mais sobre o fluido de arrefecimento, suas características e funções, clique aqui e conheça a linha de alta performance da Motul. 

2 – Usar o óleo errado no motor do carro

Na hora de escolher o óleo para o motor do carro, é preciso levar em consideração a viscosidade, a norma da montadora e sua base. Essas informações são facilmente encontradas no manual do fabricante, reduzindo os erros na hora de realizar a troca.

Um lubrificante fora da especificação recomendada pode não possuir a espessura de filme de óleo projetada para aquele motor. Pode também não atender os requisitos de aditivação impostos pela montadora. A espessura e aditivação incorreta podem comprometer a eficiência do motor, aumentar o consumo de combustível e ainda danificar os componentes internos. 

Outro ponto de alerta é quanto ao intervalo de troca que, geralmente, precisa ser realizada em intervalos de 5 mil km e 10 mil km. Também é recomendado fazer a troca do filtro de óleo neste momento. Se o veículo for utilizado em condições severas (altas rotações, estradas de terra, trajetos curtos com o motor frio), o intervalo de troca deve ser reduzido, conforme recomendado pela fabricante do carro.

E, vale o lembrete: utilizar lubrificantes fora da especificação e da revisão pode gerar a perda da garantia do veículo!

3 – Não trocar o filtro de ar do motor do carro

O filtro de ar é responsável por garantir que o ar que chega ao motor esteja livre de impurezas para a queima do combustível. 

Quando não fazemos a manutenção correta, o ar levado até o motor pode conter partículas que irão arranhar o cilindro, danificar outras peças e interferir na combustão, gerando maior gasto de combustível.

Muitas vezes, ao acelerar o carro, percebe-se uma perda de desempenho. Este é um indicativo que talvez esteja na hora de substituir o filtro de ar do motor. A vida útil de um filtro, de modo geral, é de 10 mil km ou 1 ano de uso. Lembrando que se a condição de uso é em estradas de terra, a vida útil deve ser reduzida pela metade. Mais uma vez, vale a dica de ouro: consulte o manual do fabricante!

4 – Ignorar as velas de ignição

As velas de ignição são responsáveis por criar a faísca dentro da câmara de combustão, ou seja, ela inicia o processo de combustão da mistura ar e combustível que faz o motor gerar energia para movimentar o veículo.

Com o tempo, o desgaste das velas causa dificuldade na hora de dar partida no veículo, perda da performance, e consequentemente, aumento do consumo de combustível. Ele também pode ser responsável por danificar a bobina de ignição, gerando um prejuízo ainda maior.

O ideal é verificar as velas e o cabo de ignição a cada 10 mil km, e a troca, a cada 25 mil km. Mas, para confirmar esses números e o modelo das peças, siga as recomendações do fabricante. 

5 – Misturar marcas e especificações de fluidos

Um erro bastante comum e que precisa ser evitado é misturar marcas e especificações dos fluidos automotivos. 

Misturar lubrificantes e fluidos de diferentes marcas e especificações causa perda de desempenho, desgaste em sistemas e, consequentemente, danifica as peças até estragar o motor do seu carro.

Isso pode acontecer por diversos motivos: tecnologias diferentes na concepção do produto, presença de elementos conflitantes e muito mais.

Para evitar fazer o uso indevido de um produto, o manual do fabricante precisa ser o seu livro de cabeceira, assim, você não cairá no erro de optar pelo produto mais barato da prateleira acreditando que ele atenderá as especificações da montadora.

6 – Maus hábitos de direção

Além de problemas relacionados à manutenção do automóvel, alguns erros de direção praticados pelo próprio motorista também podem estragar o motor. Se você tem alguns dos hábitos a seguir, pare de fazê-los o quanto antes!

Trocar a marcha na hora errada

Deixar o motor do seu carro funcionar em rotações muito baixas ou muito altas é um erro grave. É comum ver motoristas que evitam a troca de marcha para forçar o “ronco do motor”, mas, além de danificá-lo, essa prática também aumenta o consumo de combustível e pode causar problemas mais sérios.

Andar com o tanque de combustível na reserva

Outro hábito muito comum que precisa ser evitado é rodar com o tanque na reserva. Além de trazer riscos para a segurança do condutor e dos passageiros, já que você pode ficar sem combustível no meio de uma rodovia ou em locais de difícil acesso, dirigir na reserva com frequência pode provocar o entupimento dos bicos de injeção ou a sobrecarga do filtro de combustível. 

O combustível que fica no fundo do tanque acumula impurezas que são puxadas pela bomba de combustível e entopem os componentes do conjunto. Essa prática também pode queimar a bomba de combustível por conta do superaquecimento.

Acelerar demais na hora de ligar e deixar esquentando

Quem nunca ouviu dizer que é preciso deixar o carro esquentando quando é ligado pela primeira vez no dia? Este é um hábito antigo que se fazia com carros carburados. Hoje, com o avanço da tecnologia automotiva, não é necessário deixar o carro esquentando por longos períodos (de 1 a 2 minutos é o tempo necessário para estabilizar a rotação do motor e a fluidez do lubrificante), nem ficar acelerando como se fosse um piloto de Fórmula 1. Se você faz isso, é melhor deixar esse hábito de lado! 

7 – Não seguir o plano de manutenção

Cada componente do veículo tem um tempo de duração que varia conforme as condições de uso. Quando esse tempo se esgota, está na hora de realizar a manutenção.

Fique atento às recomendações sobre os intervalos de troca e manutenção. Assim, você evitará que seu veículo se sobrecarregue, causando dano nas peças, o que acarretará em um gasto ainda maior.  

A intenção deste artigo é alertar para os perigos que maus hábitos podem trazer para o veículo. Não cometa os erros citados aqui e cuide melhor do seu carro. Todas as informações referentes a produtos estão disponíveis no manual do fabricante, que você pode consultar online. Mas, se quiser, você também pode acessar nosso Guia de Aplicação e conferir as recomendações de nossos especialistas! 

Gostou desse artigo? Compartilhe para que mais pessoas evitem cometer esses erros que danificam o motor do carro e continue nos acompanhando para receber mais dicas de cuidados com o seu veículo!

  • COMPARTILHE ESTA PUBLICAÇÃO